Jornalismo está ameaçado por ‘fake news’ e polarização política, diz relatório da UNESCO

O relatório alertou que “no mundo todo, o jornalismo está sob ataque”, citando a disseminação das notícias falsas e dos algoritmos nas redes sociais, que criam “salas de eco” e exacerbam a polarização política.

Usuário acessa redes sociais em laptop. Foto: Banco Mundial (arquivo).
Usuário acessa redes sociais em laptop. Foto: Banco Mundial (arquivo)

A indústria da mídia, que permanece a principal fonte de notícias e informação na era digital, tem diante de si amplas oportunidades e profundos desafios, disse a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no início de novembro (6) em relatório sobre liberdade de imprensa, pluralismo, independência e segurança de jornalistas.

“Cobrindo o período de 2012 a 2017, esse estudo não apenas mapeia as tendências globais, como faz um chamado inequívoco para ação para superar novos e persistentes desafios”, disse Irina Bokova, então diretora-geral da UNESCO, no documento intitulado “Tendências Mundiais para a Liberdade de Expressão e Desenvolvimento da Mídia”.

“(O relatório) fornece um ponto de referência único para Estados-membros, organizações intergovernamentais, grupos da sociedade civil, academia, jornalistas e profissionais de mídia, e todos aqueles que desejam compreender os fundamentos da liberdade de imprensa em um mundo em mudança”, acrescentou.

O relatório destaca desenvolvimentos positivos enquanto a sociedade civil se mobiliza para promover um maior acesso à informação, veículos de mídia cooperando com serviços de checagem de dados para combater uma torrente de desinformação, e um número cada vez maior de governos adotando leis de liberdade de informação.

Na era digital, diz o relatório, as mulheres jornalistas podem desenvolver uma presença on-line desprendidas das hierarquias das redações, e os jornalistas cidadãos e ativistas têm acesso a meios de comunicação de massa que antes eram inacessíveis.

O relatório, no entanto, alertou que “no mundo todo, o jornalismo está sob ataque”, citando a disseminação das notícias falsas e dos algoritmos nas redes sociais, que criam “salas de eco” e exacerbam a polarização política. Além disso, lembrou que alguns governos derrubaram o acesso à Internet, principalmente em períodos pré-eleitorais, enquanto jornalistas permanecem sob ataque, enfrentando crescente violência.

“Os desafios são ainda maiores para cidadãos do mundo todo, mulheres e homens que dependem do jornalismo profissional para conduzir o desenvolvimento e a transformação de suas sociedades”, disse Bokova.

Os principais dados foram reunidos por Guy Berger, diretor da Divisão de Liberdade de Expressão e Desenvolvimento de Mídia da UNESCO, em evento realizado ao lado da Comissão de Comunicação e Informação da Conferência Geral da UNESCO em Paris.

Clique aqui para acessar o relatório completo (em inglês).

 

Anúncios

Transporte universitário é NECESSÁRIO

Por Yanez Freitas

5ef0f878-6fd3-4bdf-b4be-209adfb7dc13.jpgA lei do transporte universitário deve ter funcionalidade, porque em nosso município nem todos podem arcar com a recarga do seu cartão Vem todos os meses. Escolher entre comer ou pagar a passagem, sobreviver hoje ou resistir até o próximo contra cheque ou pagamento que receber pelo trabalho informal que realizou: eis os dilemas aos quais milhares de trabalhadores enfrentam todos os dias.

O perigo do transporte a noite não somente assola os trabalhadores, mas também os estudantes de baixa renda, que lutam diariamente contra os desafios do mundo Acadêmico e os do mundo real, que através de suas contradições busca expulsá-lo do berço da razão e das elites profissionais.

No Cabo de Santo Agostinho, o prefeito Lula Cabral busca extinguir garantias dos trabalhadores e dos estudantes

Escolher entre a passagem e a xerox para os estudos não é um dilema torpe, mas, infelizmente, um sintoma de um país doente que conta altas taxas de evasão escolar e universitária, sobretudo entre os estudantes mais pobres.

Dizemos tudo isso não por razões despropositadas. No Cabo de Santo Agostinho, o prefeito Lula Cabral busca extinguir garantias dos trabalhadores e dos estudantes, que muitas vezes que muitas vezes participam das duas categorias tão injustiçadas.

Deve-se atuar em outro sentido: a lei do transporte público gratuito deve ser executada, com recursos exclusivamente dirigidos a ela na Lei Orçamentária (LOA).

Polícia faz apreensão de crack em operação “Força no Foco”, no Cabo

  • No balanço parcial, foram realizadas até a manhã desta quinta-feira (30), 462 abordagens de pedestres, 52 veículos de passeio e caminhões, 42 motos e sete bares.

Uma mulher e dois homens foram presos na quarta-feira (29/11), no Cabo de Santo Agostinho, por tráfico de drogas e porte ilegal de arma, respectivamente.

A prisão realizada pelo 18º Batalhão de Polícia Militar aconteceu durante a Operação Força no Foco, que está sendo realizada no litoral do município.

Mais de 100 homens da Polícia Militar, Civil e da Secretaria de Defesa Social do Cabo (agentes de Trânsito e Romu) estão participando. A Operação Força no Foco continua nesta quinta-feira (30/11) em Gaibu e Enseada dos Corais.

Esta é a terceira ação da Força no Foco na cidade. O objetivo é o combate à violência. Foram apreendidas 30 pedras de crack, no centro de Gaibu.

A mulher de 44 anos, segundo a Polícia Civil, já é reincidente. Ela e o rapaz de 23 anos foram autuados por tráfico.

Já o homem de 34 anos pego com uma arma calibre 38 não tem passagem pela polícia. Ele responderá por porte de arma ilegal.

“O objetivo é reduzir as ações de criminalidade nas praias, atuando com a fiscalização de trânsito, abordagem policial e cumprindo os mandados de prisão”, destacou o secretário de Defesa Social do Cabo, Fábio Fonseca.

O delegado da Delegacia Seccional do Cabo, Vitor de Araújo Melo, disse que 21 homens da Polícia Civil estão trabalhando nesta operação. Foi montada uma delegacia móvel na praça de Gaibu para atender as ocorrências durante a ação.

“A delegacia móvel dá mais agilidade a nossa operação. Além disso, até o momento, conseguimos desvendar alguns assassinatos registrados na área”, enfatizou.

A Operação Força no Foco atuou em Gaibu e Enseadas, com bloqueios policiais e de trânsito, onde foram feitas abordagens aos veículos e transeuntes. No balanço parcial, foram realizadas até a manhã desta quinta-feira (30), 462 abordagens de pedestres, 52 veículos de passeio e caminhões, 42 motos e sete bares.

Segundo o Inspetor da Romu, Mozart Tavares, na manhã da quarta-feira (29), foi apreendida uma moto. O motorista estava sem a documentação do veículo e não portava capacete.

Fonte: Ana Cristina Lima/ Secom

 

Católicos da Charneca festejam a padroeira Virgem da Conceição

87395658-3ee7-4009-9286-c46b60bb13a5Com o tema, “Faça-se em mim segundo a Tua Palavra (Lc 1,26-38)”, o bairro da Charneca celebra de 1º a 8 de dezembro, sua padroeira, Nossa Senhora da Conceição. Este ano é a 34ª edição da festa. Serão oito dias em que a paróquia Santo Antônio e devotos da querida Mãe, subirão o “morro” da Charneca para louvar a querida Mãe de Deus e da humanidade. As celebrações serão sempre às 19h.

Com informações do correspondente comunitário Guga Lima

IBGE: 1% dos brasileiros mais ricos ganha 36 vezes mais do que metade mais pobre

O rendimento médio dos 50% que recebiam os piores salários ficou em apenas R$ 747, abaixo do salário mínimo

 

Por: Agência Estado

Apesar da evolução ao longo das últimas décadas, o Brasil ainda apresenta um quadro de desigualdade extrema. Em 2016, 1% da população de trabalhadores brasileiros com maior poder aquisitivo ganhava 36,3 vezes mais do que os 50% que ganham os menores salários. Os dados, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), foram divulgados nesta quarta-feira, 29, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na fatia dos 1% mais abonados, formada por apenas 889 mil pessoas, a renda do trabalho média mensal era de R$ 27.085. O rendimento médio dos 50% que recebiam os piores salários ficou em apenas R$ 747, abaixo do salário mínimo. Se considerados os 5% brasileiros com menores salários, a renda média era de míseros R$ 73 mensais. Segundo o IBGE, 4,445 milhões de trabalhadores estão nessa condição.
“O Brasil é um dos países onde a desigualdade é das maiores do mundo, é uma das grandes mazelas. País nenhum vai crescer com base numa plataforma tão desigual”, declarou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.
Renda per capita
Quando considerados os dados de renda per capita de todas as fontes, e não apenas o rendimento do trabalho – nesse cálculo, a renda disponível é dividida por todos os moradores do domicílio, incluindo os que não trabalham -, a situação é ainda mais grave. A renda média mensal per capita dos 5% brasileiros com menor poder aquisitivo era de apenas R$ 47,00 em 2016. A pobreza era ainda mais aguda no Norte e Nordeste, com R$ 38,00 e R$ 33,00, respectivamente.
O rendimento médio real domiciliar per capita foi de R$ 1.242, contra uma renda média de R$ 2.149 se considerados apenas os trabalhadores. As regiões Norte e Nordeste apresentaram o menor valor: R$ 772, em ambas as regiões. A Região Sudeste teve o maior rendimento médio, R$ 1.537.
Índice de Gini
Com isso, o Índice de Gini do rendimento médio mensal real domiciliar per capita foi estimado em 0,549 em 2016, pior do que o Gini com base no rendimento do trabalho, de 0,525. O indicador mede a desigualdade de renda – numa escala de 0 a 1, quanto maior o indicador, pior é a distribuição dos rendimentos. No Nordeste, o Gini da renda domiciliar per capita foi de 0,555. No Sul, ficou em 0,473.
“Quanto mais desigual a região, mais alto é o Índice de Gini. Então a região mais desigual é o Nordeste, sem dúvida, como já vinha sendo mostrado pela Pnad”, lembrou Azeredo.
Perfil
Do total de 205 milhões de habitantes do Brasil em 2016, 124,4 milhões tinham algum tipo de rendimento, sendo que 87,1 milhões eram remunerados pelo trabalho que exerciam e 49,3 milhões recebiam renda obtida através de alguma outra fonte, fosse aposentadoria e pensão; aluguel e arrendamento; pensão alimentícia, doação e mesada de não morador; ou outros rendimentos, categoria que inclui seguro-desemprego, programas de transferência de renda do governo, rendimentos de poupança etc.
Em 2016, 13,9% da população recebia aposentadoria ou pensão; 2 4%, pensão alimentícia, doação ou mesada de não morador; 1,8%, aluguel e arrendamento; enquanto 7,7% recebiam outros rendimentos.
O rendimento proveniente de aposentadoria ou pensão foi o mais elevado, em média (R$ 1.670), padrão observado em todas as regiões, sendo mais elevado no Centro-Oeste (R$ 2.064) e mais baixo no Norte (R$ 1.334). Os rendimentos provenientes de aluguel e arrendamento tinham valor médio de R$ 1.521; pensão alimentícia, doação e mesada de não morador, R$ 516; e outros rendimentos, R$ 499.
A massa de rendimento médio mensal real domiciliar per capita alcançou R$ 255,1 bilhões em 2016, mas os 10% mais bem remunerados detinham 43,4% desse bolo, fatia maior do que os 80% da população com os menores rendimentos (40,8%). Ou seja, apenas 12,4 milhões de pessoas ganhavam mais do que 99,2 milhões de brasileiros juntos.

TRE-PE alerta gestores para cadastramento biométrico

Reunião no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) para tratar do cadastramento biométrico
Reunião no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) para tratar do cadastramento biométricoFoto: Brenda Alcantara/Folha de Pernambuco

Em Pernambuco, mais de 55 mil pessoas ainda não realizaram o recadastramento biométrico. Os dados, divulgados pela justiça eleitoral, têm preocupado as autoridades. Para discutir o assunto, o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) convocou um evento para debater o tema com os chefes do Executivo das cidades em que os índices de recadastramento estão mais críticos. Apesar de terem sido convidados 19 prefeitos, apenas cinco compareceram a convocação.

As cidades de Camaragibe, São Lourenço da Mata e Cabo de Santo Agostinho, são onde a situação está sendo considerada mais crítica. O prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira, esteve presente e falou sobre a campanha de conscientização feita na cidade e a disponibilização de transportes públicos para os eleitores irem aos postos de atendimento. “Existe uma falta de consciência muito grande por parte da população, mas estamos fazendo nossa parte e acreditamos que conseguiremos atingir a meta”, pontuou.

O desembargador Luiz Carlos de Barros Figueiredo, presidente do TRE-PE, também comentou o desinteresse da população com a política, mas frisou que a preocupação dele é com os prejuízos para os cidadãos. “Essa é uma tendência natural do brasileiro de deixar tudo para última hora, mas a população precisa estar atenta para os prejuízos que pode sofrer, tanto enquanto cidadão quanto para o município”.

Pernambuco tem um total de 6,5 milhões de eleitores. O atual ciclo de recadastramento biométrico abrange 38 municípios. No ano que vem, um novo ciclo deverá ser iniciado, e desta vez para contemplar 45 Cidades.

Fonte: Anna Tenório, da FolhaPE

PRB promove ação pelo “Novembro Azul” no Cabo de Santo Agostinho

PRB promove ação pelo "Novembro Azul" no Cabo de Santo Agostinho
O objetivo foi chamar a atenção dos homens para a prevenção e conscientização do câncer de próstata

Texto e foto: Ascom PRB Cabo de Santo Agostinho

Técnico Integrado em Química no Recife é o curso mais concorrido do IFPE

Curso tem quase 40 candidatos por vaga. O Vestibular do IFPE registrou cerca de 30 mil inscritos, distribuídos em 65 cursos Técnicos e Superiores dos 16 campi da Instituição, entre eles, o do Cabo de Santo Agostinho

 

O Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) divulgou nesta quarta-feira a concorrência do Vestibular 2018.1. O curso mais procurado na modalidade Integrado com Ensino Médio é o Técnico em Química, tirno da manhã, do Campus Recife, que registrou 39,22 candidatos por vaga. Na sequência, estão os cursos Segurança do Trabalho (tarde) com 36,08 e Edificações (manhã) com 31,08, também ofertados no Campus Recife.

Na modalidade Subsequente, que exige o Ensino Médio completo, o curso de maior concorrência foi Técnico em Enfermagem (tarde) do Campus Belo Jardim com 16,11 candidatos por vaga. A segunda posição ficou com o Técnico em Administração (manhã), do IFPE Paulista, registrando uma concorrência de 15,44 por vaga. O terceiro mais concorrido foi Segurança do Trabalho (tarde) do Campus Recife, com um total de 14,55 candidatos disputando cada uma das vagas ofertadas.

Já em relação aos Superiores, o posto de mais concorrido ficou com o curso Engenharia Mecânica (integral) do Campus Recife, com um total de 20,77 candidatos inscritos para cada vaga. Em seguida, estão Análise e Desenvolvimento de Sistemas (manhã) com 19,88 e Design Gráfico (manhã) com 15,90 candidatos por vaga. Ambos do Campus Recife.

PROVAS – A prova está marcada para o dia 10 de dezembro e é imprescindível a apresentação do cartão de inscrição impresso junto com um documento oficial de identificação com foto.

Nesta edição, o Vestibular do IFPE registrou cerca de 30 mil inscritos, distribuídos em 65 cursos Técnicos e Superiores dos 16 campi da Instituição (Abreu e Lima, Afogados da Ingazeira, Barreiros, Belo Jardim, Cabo de Santo Agostinho, Caruaru, Garanhuns, Igarassu, Ipojuca, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Palmares, Paulista, Pesqueira, Recife e Vitória de Santo Antão).

CVEST – No site da Comissão do Vestibular (cvest.ifpe.edu.br), os interessados podem conferir as listas de todos os cursos e suas concorrências, além da relação candidato/vaga para os que irão disputar o certame na condição de cotista. Na página da CVEST também é possível acessar e imprimir o cartão de inscrição, além de conferir o local de prova.

Em caso de dúvidas, os candidatos devem entrar em contato com a Cvest pelo e-mail cvest2017@reitoria.ifpe.edu.br ou pelo telefone (81) 2125.1724.

Fonte: Diario de PE

Tudo está de ponta cabeça e ninguém reparou?

Por Matheus Mariano

23915761_10155412298137585_5305420152540603273_n
Na cidade do Cabo de Santo Agostinho, Grande Recife, no dia 27 de novembro de 2017 a bandeira municipal foi hasteada de ponta cabeça. Foto: Wilson Firmo/Agência CaboPress
As bandeiras são símbolos antigos, sendo difícil datar sua origem histórica sem cometer equívocos. Os Estados modernos dão continuidade ao uso dos pavilhões nacionais como símbolo político das coletividades organizadas em determinado território às quais podemos chamar País, bem como as Unidades federativas (estados) e municípios possuem suas bandeiras como elementos que integram o conjunto de símbolos locais.

As bandeiras são muito mais que pedaços de tecidos decorados. Podemos fazer uma leitura sociológica deste objeto como sendo um elemento constituinte do imaginário social e cultural coletivo. Uma vez hasteada, pendurada nas sacadas e janelas, abertas em shows, jogos e viagens internacionais despertam nas pessoas que compartilham aquela cultura específica um sentimento de pertencimento e unidade.

Na cidade do Cabo de Santo Agostinho, Grande Recife, no dia 27 de novembro de 2017 a bandeira municipal foi hasteada de ponta cabeça. Ao lado esquerdo do pavilhão Nacional – como manda o cerimonial da República-  via-se a bandeira azul e branca invertida, contrariando as regras de hasteamento. Certamente o servidor foi vítima da rotina e não percebeu a situação. Podemos falhar vez por outra, pois somos propensos ao erro.

O curioso deste fato, que inclusive é o motivo destas linhas, é o simbolismo não tão casual da situação. As bandeiras queimadas ou hasteadas ao contrário são formas pelas quais as pessoas exibem descontentamento com um país alheio (como em casos de separatismos ou revoltas contra ocupações estrangeiras) ou até pedido de socorro de tripulações marítimas em perigo.

O caro leitor há de convir que os tempos são de descontentamento e pedido de socorro na Cidade do Santo de Hipona.  2017 segue os trágicos dados de violência dos anos anteriores e possivelmente nossa cidade terá sido palco para mais de 200 homicídios, se isso não bastasse, temos a falta de um modelo de desenvolvimento econômico sustentável que garantiria à cidade não entrar em declínio com a diminuição das atividades portuárias, além do caos na estrutura urbanística, na saúde e nas escolas municipais, bem como em tantos outros aspectos que poderiam ser citados.

Obrigado, servidor desconhecido. Devemos perdoar sua falha, pois ela foi positiva, uma vez que sinalizou o pedido de socorro desta tripulação cansada e faminta que veleja em uma caravela há muito tempo, mas nunca tem terra à vista. Gratidão, por externar que  “el dourado” é terra nossa, mas só vemos os navios estrangeiros levarem o ouro. Santa Maria de La Consolación, console este povo e dê coragem para remar.

—————————————————————–
Matheus Mariano licenciado em Ciências Sociais pela Universidade de Pernambuco, morador do Cabo.

Em regime semiaberto, deputado tenta entrar no presídio com queijo na cueca

FLAGRA – Celso Jacob (PMDB-RJ) foi flagrado com dois pacotes de biscoito e um queijo provolone dentro das roupas íntimas e, por isso, ficará sete dias na solitária

 

Por: Correio Braziliense

Reprodução/Agência Câmara (Reprodução/Agência Câmara)
Reprodução/Agência Câmara
Após ser flagrado tentando retornar à Papuda com um queijo provolone e dois pacotes de biscoito dentro das roupas íntimas, o deputado federal Celso Jacob (PMDB-RJ) ficará sete dias na solitária. O parlamentar cumpre pena em regime semiaberto na Penitenciária do Distrito Federal.
Durante o dia, trabalha na Câmara Federal e retorna ao cárcere para passar a noite. Além do isolamento, Jacob pode perder o benefício, uma vez que é estritamente proibido retornar às celas com qualquer alimento ou objeto, sem autorização.
O queijo e os biscoitos foram encontrados com Jacob durante o procedimento padrão de revista dos detentos que gozam do benefício do semiaberto. A Vara de Execuções Penais (VEP), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), está a par dos fatos e já abriu um inquérito disciplinar para apurar o caso.
A punição para esses casos pode chegar a 30 dias de isolamento, além da perda de benefícios, conforme decisão da VEP. Procurada pelo Correio, a assessoria do parlamentar não atendeu as ligações.
Celso Jacob foi preso pela Polícia Federal em 6 de junho último. Ele é condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), acusado de falsificação de documento público e dispensa de licitação, em um caso ocorrido em Três Rios (RJ), cidade onde era prefeito.
Ele teria acrescentado um artigo ao documento, sem que ele tivesse sido aprovado pela Câmara de Vereadores municipal.
Para dispensar uma nova licitação, Jacob decretou estado de emergência na cidade. O Ministério Público entendeu que a declaração de “estado de emergência” foi aplicada apenas com a finalidade de concluir a obra com interesses eleitorais, uma vez que o político seria candidato à releição no ano seguinte.